Destaque

quarta-feira, 13 de junho de 2018

O curioso lado perverso do riso


A Editora Edipro relança o clássico O Riso, de Henri Bergson, no qual o autor sugere as principais motivações do riso e, de forma antes nunca pensada, expõe aos leitores verdades intrigantes

Henri Bergson enxerga o cômico de uma maneira bastante peculiar. Para o autor, a causa desta reação está intimamente ligada àquilo que permanece fora dos padrões da sociedade. Em O Riso, relançado pela Edipro, o filósofo francês explica os motivadores desta expressão.

O que é o riso? Por que rimos e como isso reflete-se em nossas relações sociais? A obra, publicada em 1900, reúne três artigos de Bergson escritos à Revue de Paris, e mantém-se original e incisiva até os dia de hoje.

Nestes três textos, o autor busca elucidar o significado do cômico e o que está por trás do riso como fenômeno social. As formas desajeitadas, os desvios de padrão e o feio são alguns dos causadores do riso.

Sendo assim, para ao autor existe uma verdade, às vezes sádica, por trás do riso, pois o cômico depende de certa insensibilidade humana, uma exigência de que o outro se encaixe em padrões sociais.

No sentido do ponto de vista ser o correto, atualmente a sociedade fala muito de bullying e sobre a aceitação do corpo e trejeitos do outro, tornando este estudo imprescindível nos dias de hoje.

O pensamento original e incisivo de Bergson, neste e em outros ensaios, o tornou um dos mais influentes filósofos modernos, com ideias que impactam a intelectualidade de forma atemporal.

Esta edição conta com a tradução de Maria Adriana Camargo Cappello, professora do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Paraná e uma das principais pesquisadoras do pensamento de Bergson. 

O texto de introdução é de Débora Cristina Morato Pinto, professora do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Carlos e pesquisadora na área de Filosofia Contemporânea com foco na obra de Henri Bergson.

Sobre o autor: Henri Bergson (1850-1941) foi filósofo e diplomata. Nascido na França, tem uma obra vasta que engloba temas diversos, tendo estudado em áreas que vão do cinema e da literatura à neuropsicologia e à bioética. Formado em Letras, foi professor, membro da Academia Francesa, e recebeu o Nobel de Literatura em 1927. Como filósofo, teceu críticas ao determinismo e à objetificação do homem em sua obra. Foi casado com Louise Neuberger, prima do também escritor francês Marcel Proust. Como diplomata, tomou parte das discussões que levariam os Estados Unidos a intervir na Primeira Guerra Mundial.

Ficha técnica:
Editora: Edipro
Gênero: Ensaio/Filosofia
Preço: R$ 37,00
ISBN: 9788552100256
Edição: 1ª edição, 2018
Tamanho: 14x21
Número de páginas: 128

Nenhum comentário:

Postar um comentário