Destaque

sexta-feira, 22 de março de 2019

Apuramento do Europeu-2020 - Estreia de Portugal com empate


Ao invés do Brasil, Portugal, nesta semana FIFA, terá dois jogos a doer para o apuramento do Campeonato da Europa 2020, tendo pela frente dois adversários de peso, a Ucrânia e a Sérvia. O Luxemburgo e a Lituânia completam este Grupo B.

Primeiramente, Portugal a defrontar a Ucrânia e, volvidos três dias (25) a Sérvia, ambos os jogos a realizar em Portugal.

Portugal entra nesta competição para defender o título conseguido em França em 2016. Este Europeu-2020 também assinala os 60 anos de existência da UEFA.

Para este embate frente à formação ucraniana, Portugal já contou com a presença do "capitão" Cristiano Ronaldo que não participou nos jogos anteriores e realizados para a Liga das Nações.


O PORTUGAL - UCRÂNIA -  Como se previa, uma Ucrânia fechada no seu sector defensivo, procurando, naturalmente, contra-atacar e, sobretudo, tentar beneficiar dos erros de Portugal na saída de bola.

Portugal controlava o jogo, mas sem encontrar espaços junto da defensiva da Ucrânia. Os tais espaços de maior abertura para penetração. Só aos 15 minutos, um remate perigoso de Pepe na sequência de um pontapé-de-canto. Um outro canto que redundou num golo de Portugal, apontado por William Carvalho, mas desde  logo anulado pelo árbitro ao sinal do seu auxiliar que acompanhava o ataque da seleção portuguesa.

Manda a verdade dizer, também, que os ucranianos se revelaram rápidos nas suas saídas para os contra-ataques. Deixaram bem expresso este aviso. De resto, mantinha-se a tónica de futebol atacante de Portugal em busca do almejado golo. E, nesse sentido, Cristiano Ronaldo por duas vezes a obrigar o guarda-redes da Ucrània a defesas apertadas para canto. 

Portugal intensificou o seu domínio, mas sempre a deparar com  uma muralha defensiva que se apresentava sólida para evitar que o golo de Portugal aflorasse, o mesmo que dizer que os ucranianos estavam a "levar-a-água-ao-seu-moinho", ou seja, manter o 0-0 até ao intervalo.

A SEGUNDA PARTE - Portugal, como se impunha, não tirou o pé do acelerador. Era sumamente importante inaugurar o marcador nos primeiros 15 minutos desta etapa complementar, até para tranquilizar os jogadores. Neste aspecto, o golo é sempre o melhor tónico.

E, mais uma vez, o guarda-redes da Ucrânia a negar o golo a Portugal com uma defesa com a mão contrária, como é vulgar dizer-se. Remate de André Silva que levava o selo do golo. Desvio para canto do guarda-redes ucraniano. Que defesa!

Aos 62 minutos, Fernando Silva fez entrar Rafa Silva para o lugar de Ruben Neves. Mais um reforço para o sector atacante.

O tempo passava e nada de Portugal chegar ao golo. A Ucrânia tapava todos os caminhos de acesso à sua baliza, disposição que sempre manteve desde o início do jogo. Ucrânia alicerçada numa 4.5.1.

Aos 73 minutos, sai André Silva e entra Diego Souza, uma estreia na seleção nacional. André Silva que já aparentava cansaço. 

Quando faltavam cinco minutos para o termo do encontro, a Ucrânia desfrutou de uma soberana oportunidade  (Júnior Morais) para chegar ao golo. A única oportunidade esclarecida que teve a Ucrânia. Na sequência, entra João Mário para o lugar de João Moutinho.

Apesar de Portugal quase sempre "alugar meio-campo", o resultado não se alterou. Um empate que a Ucrânia festejou. Um empate no Estádio da Luz frente ao Campeão da Europa em título. Empate que vem premiar  a enorme exibição do guarda-redes ucraniano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis